Lucy Dias Ramos

Lucy Dias Ramos

Lucy Dias Ramos

Natural de Rio Novo (Minas Gerais) Lucy Dias Ramos(foto) é formada em Ciências Sociais e Administração Hospitalar. Nascida em lar espírita, no ano de 1935, conviveu desde cedo com a Doutrina e seus preceitos. Aposentada, viúva, mãe de seis filhos, 17 netos e sete bisnetos, mora atualmente na cidade de Juiz de Fora (MG).

Iniciou as atividades na área de divulgação, escrevendo artigos em jornais e revistas espíritas na década de 1970, tendo sido supervisora de O Médium, de Juiz de Fora, até dezembro de 2007. Escreve, ainda, em jornais e periódicos como: Reformador. Revista Internacional do Espiritismo (RIE), Presença Espírita.

Autora de vários livros publicados pela FEB e Solidum Editora.

Frequenta há 52 anos a mesma instituição denominada Casa Espírita, onde desenvolveu atividades doutrinárias e assistenciais. Sempre teve participação ativa no Movimento Espírita, divulgando o Espiritismo e procurando manter a fraternidade e os princípios da unificação. Já ocupou cargos na diretoria da AME-JF e na Casa Espírita, tendo sido Presidente por duas vezes e diretora de vários departamentos.

Como médium, participou da Reunião Mediúnica durante 50 anos, na qual era auxiliar de direção, doutrinadora e exercia a psicografia.

Atualmente, coordena um Grupo da Terceira Idade, o Grupo de Estudos das obras de Joanna de Ângelis e o Tratamento Espiritual da Criança.

Chegando Casa Espírita em outubro de 1964, iniciou suas atividades no setor mediúnico e nos trabalhos de assistência social, a convite das dirigentes dos mesmos, Eunice Carvalho de Mattos e Amir Lougon que integravam um grupo que prestava ajuda material denominado Fundação Calliope Braga de Miranda. Não havia, ainda, o Departamento de Assistência Social como atualmente e sim vários setores assistenciais com dirigentes próprios e em trabalhos paralelos, sendo agrupados posteriormente quando assumi a Presidência da Casa Espírita, pela primeira vez.

Em 1970 fui convidada para participar da Diretoria da Casa, pelo Sr. Manoel de Oliveira que estava já compondo a nova chapa, a ser aprovada pelo Conselho Deliberativo que era formado de 18 membros de espíritas que atuavam na casa há vários anos. Como Sr. Manoel já havia iniciado o projeto de construção da nova sede, mas não poderia ser presidente, já que os Estatutos de então limitavam em 2 anos a permanência dos diretores, no mesmo cargo, sendo vedada a reeleição, ele procurou organizar uma chapa que desse prosseguimento ao seu projeto e ele pudesse participar, ocupando algum cargo, ficando como vice-presidente.

Primeiramente foi escolhido o Sr. Lindolfo Dutra para ocupar o cargo de Presidente, que nos convidou e ao Dr. Romeu de Oliveira para participar.

Sr. Lindolfo, antes da eleição, foi transferido para São Paulo.  Conversando com o Sr. Manoel sugeri que colocasse o Dr. Romeu de Oliveira na Presidência, porque ele já possui experiência na área administrativa da Fundação João de Freitas e também em construções. Quando o Dr. Romeu tomou conhecimento do convite por minha sugestão ligou para minha casa (eu não o conhecia pessoalmente) e disse: já que a senhora sugeriu meu nome para ser Presidente da Casa Espírita e não nos conhecemos, ainda, irei marcar uma reunião para organizarmos a chapa.

Assim o fez e ocupei durante os dois anos da fase da construção da nova sede, o cargo de Tesoureira, com uma diretoria harmônica, cujos objetivos eram os mesmos, conseguindo no prazo de dois anos inaugurar a nova sede. Interessante que quase todos nós desta nova diretoria não éramos integrantes dos mesmos trabalhos e alguns não se conheciam, mas tivemos oportunidade de manter e consolidar os laços de amizade e confiança para alcançarmos a meta estabelecida pelo Conselho Deliberativo, que era concluir a obra no prazo de dois anos…

Em 1974, ocupei no dia 26 de maio, pela primeira vez o cargo de Presidente da Casa Espírita, aos 39 anos. Já bem integrada nos trabalhos assistenciais e administrativos das gestões anteriores, sabia que iniciava neste novo tempo uma série de mudanças e atualizações que seriam feitas sob a orientação espiritual que, carinhosamente, envolvia a todos os responsáveis pelos destinos de nossa casa.

Detalhes deste período, pleno de realizações que as diretorias que se sucederam imprimiram à Casa Espírita estão mais detalhados no livro “A Causa Espírita e nós” a ser editado pela FEB ainda este ano.

Mas permaneci ocupando diferentes cargos na Diretoria da Casa Espírita até 2010. Mas ainda, prossigo, colaborando em alguns setores de divulgação e dos departamentos DAF e Divulgação Doutrinária.

Escritora

Ao completar 70 anos, fui surpreendida com a notícia de que a FEB iria publicar um livro meu Recados de Amor, com artigos retirados das revistas O Médium, Reformador, Presença Espírita e RIE – Revista Internacional do Espiritismo. Minhas filhas Valéria e Sandra, auxiliadas pelo Carlos Augusto Abranches, reuniram alguns capítulos em três partes, falando de assuntos de introspecção e autoconhecimento, familiares e doutrinários, dando destaque à Mediunidade. Quando tive o primeiro contato com esta obra, analisando minhas vivências e os assuntos elaborados em diferentes fases, considerei, sem falsa modéstia, que poderia escrever assuntos mais atuais e com melhor desempenho já que minha vida, estava sendo enriquecida pelos desafios existenciais e dores da alma que foram testemunhos e provas, que procurei suportar alicerçada no conhecimento espírita e nas luzes do Evangelho de Jesus.

Comecei então a escrever a segunda obra, Luzes do Entardecer e assim sucessivamente, até hoje o que enriquece minha longevidade com tarefas que procuro desempenhar com responsabilidade visando, principalmente, ajudar aos que estejam passando ou terão experiências como as que vivenciei.

Livros editados:

Pela FEB:

  • Recados de amor – 2008
  • Luzes do entardecer – 2009
  • Maior que a vida -2010
  • Gotas de Otimismo e paz – 2011
  • Folhas de outono – 2012
  • Lar, alicerce de amor – 2016
  • Pela Editora Solidum:
  • Mediunidade e nós – 2011
  • Arquivos do coração – 2014
  • Editora Be
  • Luzes e sombras – 2017

Na obra “Luzes e sombras”, com lançamento dia 10 de março deste ano, faço reflexões profundas em torno da posição atual de nosso planeta, diante da transição que caracteriza o final de um ciclo evolutivo e o alvorecer da nova era do Espírito.

Analiso as mudanças que estão ocorrendo no comportamento humano frente aos desafios vivenciais e a preocupação com os dramas e tragédias que acontece no cotidiano engendradas pelo baixo nível de sintonia espiritual e parcos recursos morais dos que se perdem na insensatez e nos desregramentos…

Entretanto, apresento uma visão otimista com relação ao futuro espiritual de nosso planeta e de seus habitantes que já estejam em processo de redenção espiritual, determinada pela Lei do progresso moral.

Luzes e sombras, se alternam… Luzes de esperança, de amor e generosidade a espraiar como bênçãos dos corações que nos sustentam sob o comando de Jesus…

Sombras que ainda perduram, escurecendo temporariamente o horizonte infinito do tempo que não recua, nem cessa de avançar…A tormenta se avoluma como se tudo estivesse perdido, mas a luz do Amor de Deus por todos nós, ilumina nossas consciências para o despertar ante a nova era de regeneração da Humanidade.

Com relatos simples, descrevo minhas vivências, nas quais luzes e sombras se alternam…  Demonstro, como a fé e a esperança foram soluções adequadas nos momentos de dolorosas experiências, apoiando-me no amor como expressão máxima dos recursos que busco sempre, através dos ensinamentos de Jesus.

E convido aos que lerem as páginas deste livro que se deixem impregnar pelos sentimentos que procurou externar, falando com o coração, tendo como diretriz o Evangelho de Jesus e assim possam, também, encontrar as indicações para uma vida plena de amor, iluminada pela fé e pacificada pela gratidão.

(Fonte: Autobiografia.)